• Jussara Santos

Porque era dia dos pais

Porque era dia dos pais quis que não chovesse naquele dia Quis todos os ipês floridos porque era dia dos pais Do sol pensou o amarelo bem forte tal qual ele fazia quando criança porque era dia dos pais Naquele dia quis as mãos dele que eram iguais as suas Não desejou ganhar presentes encomendados pré-fabricados disfarçados de amor porque era dia dos pais Quis apenas chegar na janela admirar o dia a hora e jogar conversa fora Mas amanheceu chovendo Chuva fina chorosa naquele dia dos pais E embora a janela estivesse lá e ele frente a ela, estava só naquele dia O filho lá não estava mais e faltou dizer a ele o quanto o amava não só porque era dia dos pais Faltou colocar sua mão sobre a mão dele e viver a completude entre as duas Faltou deixar-se beijar pois dizia sempre que homem não beijava outro homem Faltou apertá-lo contra o peito quando ambos tinham algum problema e se deixar esquecer até dormir E faltou chorar também afinal eram meninos e meninos não choravam Até que o filho se foi um dia E ele ficou indignado com as pessoas caminhando normalmente pelas ruas da cidade, algumas até riam destilando alegria, os carros seguiam com suas buzinas estridentes, freio, só para ele que parou e só então percebeu o amarelo do sol, percebeu os ipês coloridos, percebeu o céu, percebeu a nuvem, feito naquele dia dos pais quando se misturou com a chuva para esconder a lágrima que escorria do céu. Chorando, ele observou um avião e lembrou-se de que era o que mais o filho gostava de fazer quando criança...

16 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

E eram as árvores vermelhas

Não são apenas as sombras das árvores que nos refugiam. As cores dos semáforos também. Refletidas na poça d’água, filha única da chuva passada, abaixo do meio fio, viraram puro desvio e fundidas ao a

Copyright © 2017 | Todos os direitos reservados | Jussara Santos