• Jussara Santos

Exerço meu direito

Abaixo segue a transcrição do poema "Exerço meu direito".

O poema foi gravado e em breve será postado em forma de vídeo - Que será adicionado aqui.

Exerço meu direito

Exerço meu direito de ser idiota sempre ou mesmo de vez em quando

Exerço meu direito de gostar muito de pouca gente e de gostar pouco de um número maior ainda

Exerço meu direito de ser infeliz, mesmo me abrindo para a felicidade que se mostra nas coisas mais ridículas de meu cotidiano

Exerço meu direito de não considerar meu cotidiano tão ridículo assim

Exerço meu direito de não rir pra você

Exerço meu direito de te conhecer melhor e não gostar daquilo que a mim se revela

Exerço meu direito de fingir sempre que se faz necessário

Exerço meu direito de não querer dar explicações

Exerço meu direito de não querer família e amigos todos os dias todas as horas

Exerço meu direito de reconhecer que sem família e amigos na vida nada feito ou muito pouco

Exerço meu direito de não querer trabalhar hoje nem dia nenhum e ainda assim gostar do meu trabalho

Exerço meu direito de não querer sufocar meu grito, mesmo sabendo que a placa diz: é proibido gritar

Exerço meu direito de desejar morfina para dissimular todas as minhas dores

Exerço meu direito de me mascarar em apenas uma parte do dia

Exerço meu direito de não me achar feia nem em dias de extrema violência

Exerço meu direito de não alisar cabelo e de não massacrar com progressivas minhas ideias

Exerço meu direito de não me render a toda e qualquer tecnologia: ei, aí pode? não aqui Ipod não

Exerço meu direito de não querer transar com qualquer um

Exerço meu direito de achar homem bonito sem significar que quero dar pra ele

Exerço meu direito de não querer ter filhos mesmo sendo pega, vez em quando, distraída, a imaginar uma criança agarrada na barra de minha saia

Exerço meu direito de não usar saia.

(Jussara Santos)

Para reproduções do poema, favor entrar em contato com a autora através do link no site.

Posts recentes

Ver tudo

CRUEL

meu amor quando me quer me elogia busca-me no inferno se preciso for encontrando-me, vou falsamente romântica em fins de século XX. Meu amor ainda acredita em amor.

Copyright © 2017 | Todos os direitos reservados | Jussara Santos